Além do nosso blog, você poderá encontrar o Sonora Aurora no grupo do LastFM e no Facebook.


Eric Dolphy
Postado por Henrique Tonin em quinta-feira, 9 de outubro de 2008.


Eric Dolphy viveu apenas 36 anos, mas sua passagem pela música foi decisiva; e o impacto, irreversível. Colaborou com Charles Mingus, John Coltrane, Ornette Coleman, Sam Rivers, Andrew Hill...
Mas sua contribuição pessoal vai muito além da colaboração. Em menos de uma década, expandiu as possibilidades musicais do jazz de New York, levando a ele seu multi-instrumentalismo inovador, seu estilo refinado, realizando performances que exigiam ao mesmo tempo uma imaginação harmônica prodigiosa e uma grande habilidade de improviso.

Em plena revolução do free jazz, desenvolveu um estilo muito particular, equilibrando seus improvisos com um estilo polido e pensativo, reincorporando preceitos clássicos como harmonia e ritmo sem permanecer preso a eles. Sua sensibilidade, desenvolvendo-se em várias direções, estabeleceu novos padrões de flexibilidade e virtuosismo. Em cada instrumento que tocou, manifestou-se de uma forma: lírico na flauta; agressivo e às vezes abismal no sax alto; despejando rompantes no clarinete baixo.

Aqui, destaco duas das suas obras fundamentais, ambas de 1964. Last Date; álbum gravado na Europa e reunindo alguns dos improvisadores mais geniais da nascente cena européia; também constitui um retrato da geração ligada ao Avant Garde, "migrando" do seu país de origem para o velho mundo.

O outro, sua obra-prima Out to Lunch. Ao meu ver, uma das maiores do jazz, e uma das experiências mais expressivas das últimas décadas. Este álbum, ainda que sem desembocar no free jazz, leva os antigos preceitos a novos limites; contesta e desafia a percepção musical do ouvinte. Aqui surgem os intervalos longos; os solos imprevistos; os rompantes, que depois resolvem-se em passagens lentas e cadenciadas; as contagens de tempo inusuais, que a principio nos dão uma sensação de quebra de ritmo, e obrigam nossa sensibilidade a arriscar-se para fora dos seus limites usuais, a perceber nuances, a buscar a música em regiões mais fundas ou a persegui-la até angulos desconhecidos.

Eric Dolphy - Last Date (1964)



Eric Dolphy - sax alto, flauta, clarinete baixo.
Han Bennink - bateria.
Jacques Shols - baixo.
Misja Mengelberg - piano.









Eric Dolphy - Out to Lunch (1964)




Eric Dolphy - clarinete baixo, flauta, sax alto.
Freddie Hubbard - trompete
Bobby Hutcherson - vibrafone
Richard Davis - baixo
Tony Williams - bateria

Marcadores: ,